Rádio Mensageira da paz

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Santa Gertrudes Filha dileta do Coração de Jesus


 


Oração a Santa Gertrudes onde Jesus prometeu salvar 1000 almas do purgatório, cada vez que cada um de nós rezar esta oração.)

“Eterno Pai, ofereço o Preciosíssimo Sangue de Vosso Divino Filho Jesus, em união com todas as missas que hoje são celebradas em todo o mundo, por todas as santas almas do purgatório, pelos pecadores em todos os lugares, pelos pecadores na Igreja Universal, pelos de minha casa e meus vizinhos. Amém!”

Santa Gertrudes
Filha dileta do Coração de Jesus
Tão ligada ao sobrenatural, mais parecia um anjo do Céu que uma criatura terrena. Viveu alheia às atrações mundanas e foi tida como “sustentáculo da religião”
Plinio Maria Solimeo


Pouca coisa se sabe da vida de Santa Gertrudes. Os cinco livros de suas revelações nos oferecem poucos dados sobre sua própria vida. Sabemos que nasceu pelo ano de 1256. Seus pais a colocaram como aluna das beneditinas de Rodesdorf quando tinha apenas cinco anos.

Era priora desse mosteiro outra Gertrudes, de Hackeborn. Muito piedosa e culta, esta priora, vendo a estupenda inteligência de sua homônima, incentivou-a muito não apenas na observância monástica, mas também nas atividades intelectuais que Santa Lioba e suas freiras anglo-saxãs haviam transmitido às suas fundações na Germânia.
A pequena Gertrudes encantava a todos. “Nessa alma, Deus reuniu o brilho e o frescor das mais belas flores à candura da inocência, de maneira que encantava todos os olhares como atraía todos os corações”, diz sua biógrafa e contemporânea1.
A educação de Gertrudes foi confiada à irmã da priora, Matilde, muito adiantada na via mística e na santidade. Esta procurava incutir nas almas de suas alunas o fogo do amor de Deus que devorava seu coração. E encontrou em Gertrudes um campo propício para isso. Assim,“conservando a pureza de coração durante os anos de sua infância e adolescência, e entregando-se com ardor aos estudos e artes liberais, [Gertrudes] foi preservada pelo Pai das misericórdias de todas as frivolidades que, com frequência, arrastam a mocidade”2.
Na conversão, recebe os estigmas de Cristo

Santa Gertrudes
Entretanto, em seu afã de passar das línguas para a retórica, e desta para a filosofia, ela diminuiu um tanto seu primitivo fervor. Foi quando, aos 26 anos de idade, depois de um mês de terrível provação, Nosso Senhor apareceu-lhe e fez-lhe compreender sua falta: “Provaste a terra com meus inimigos e sugaste algumas gotas de mel entre os espinhos. Volta a mim, e te inebriarei na torrente de meu divino amor”3. Explica a biógrafa: “Então Gertrudes compreendeu que tinha estado longe de Deus, em região desconhecida, quando, aplicando-se até esse dia aos estudos mundanos, descuidara de lançar seu olhar para a luz da ciência espiritual e, devido a um apego muito forte aos encantos da sabedoria humana, descuidara de lançar seu olhar para a luz da ciência espiritual”4. Nessa visão foram-lhe impressas, não de modo visível externamente, os sagrados estigmas de Cristo Senhor Nosso.

Após tais acontecimentos, que ela chama de “sua conversão”, entregou-se com ardor ao estudo da teologia escolástica e mística, da Sagrada Escritura e dos Padres da Igreja, sobretudo de Santo Agostinho, São Gregório Magno, São Bernardo e Hugo de São Vítor.

Santa Matilde, que também era favorecida com aparições de Nosso Senhor Jesus Cristo, aconselhava Santa Gertrudes em suas dúvidas
No mosteiro ela não exercia outra função senão a de irmã-substituta da irmã-cantora, Santa Matilde. Apesar de sempre doente e lutando tenazmente contra suas paixões, atendia às inúmeras pessoas que a vinham consultar, “com citações dos livros sagrados empregadas tão a propósito, que não permitiam objeções”5. Para esclarecer seus consulentes escreveu em língua vernácula (as outras obras, escreveu-as em latim) alguns tratados, nos quais explicou passagens obscuras da Sagrada Escritura e transcreveu as mais belas sentenças dos Padres da Igreja. Infelizmente essas obras se perderam.

Sua biógrafa, que era uma de suas ardentes condiscípulas, afirma também que Gertrudes “era fortíssimo apoio da Religião, defensora tão zelosa da justiça e da verdade, que seria possível aplicar-lhe o que se diz do sumo sacerdote Simão no mesmo livro da Sabedoria: ‘Sustentou a casa durante sua vida’, isto é, foi o sustentáculo da Religião; ‘e em seus dias fortificou o templo’, no sentido de que, por seus exemplos e conselhos, fortificou o templo espiritual da devoção e excitou nas almas um maior fervor”6.
Pureza, humildade, bondade, fidelidade, caridade

Uma das obras da santa
Num ano em que o frio ameaçava os homens, animais e colheitas, durante a Missa Santa Gertrudes implorava a Deus que desse remédio a esses males. E teve a seguinte resposta: “Filha, hás de saber que todas tuas orações são ouvidas”. Ao que ela replicou: “Senhor, dai-me a prova desta bondade fazendo com que cessem os rigores do frio”. Ao sair da igreja, a santa notou que os caminhos estavam inundados pela água produzida pela neve derretida. O tempo favorável continuou, e começou mais cedo a primavera7.

Santa Gertrudes procurava esclarecer-se sobre suas visões, especialmente com Santa Matilde, que também era favorecida com aparições de Nosso Senhor Jesus Cristo. Sobre as duas, tendo uma alma santa do mosteiro perguntado a Nosso Senhor “por que exaltava Gertrudes acima de todas e parecia não reparar em Matilde, Ele respondeu: ‘Eu faço grandes coisas nesta, mas as que faço e ainda farei naquela são bem maiores’”. E explicou o porquê dessa predileção: “Um amor todo gratuito me prende a ela, e é este mesmo amor que, por um dom especial, dispôs e conserva agora em sua alma cinco virtudes, em que me deleito: uma verdadeira pureza, pela influência contínua de minha graça; uma verdadeira humildade, pela abundância de meus dons, pois, quanto mais realizo grandes coisas nela, mais ela mergulha nas profundidades de sua indignidade pelo conhecimento de sua fragilidade; uma verdadeira bondade que a leva a desejar a salvação de todos os homens; uma verdadeira fidelidade, pela qual todos os seus bens me são oferecidos pela salvação do mundo; enfim, uma verdadeira caridade que a faz amar-me com fervor, com todo seu coração, toda sua alma e todas suas forças, e ao próximo como a si mesma por minha causa”8.
Devoção ao Sagrado Coração de Jesus

Uma das inúmeras aparições de Nosso Senhor à santa, nas quais já preludia a devoção ao Sagrado Coração de Jesus
A Eucaristia era o centro da piedade de Gertrudes, que oferecia a Nosso Senhor todos seus atos e orações antes da comunhão, como preparação para acercar-se mais dignamente da Sagrada Mesa; e todos os que se seguiam à comunhão, como outros tantos atos de ação de graças pelo excelso benefício.

“Diz-se que Santa Gertrudes foi a santa da santa humanidade de Cristo, assim como Santa Catarina de Gênova o foi da divindade. Diz-se igualmente que Santa Gertrudes ensinou de maneira admirável a teologia da Encarnação, que foi a teóloga do Sagrado Coração, e que, se não foi escolhida para ser a apóstola do Sagrado Coração, foi ao mesmo tempo a amante radiosa, a poetisa delicada e a profetisa dessa devoção. Encarnação, misericórdia de Jesus e intimidade confiante com Ele, Sagrado Coração, tal é, com efeito, o domínio de Santa Gertrudes. A isso convém acrescentar a Eucaristia: poucos levaram avante a comunhão freqüente tanto quanto ela, e com um sentido tão justo das condições requeridas”9.
Algumas das revelações de Nosso Senhor a Santa Gertrudes parecem preludiar as que faria quatro séculos depois a Santa Margarida Maria Alacocque sobre seu Sagrado Coração. Apresentou-lhe um dia, por exemplo, seu divino Coração sob a forma de um turíbulo de ouro, do qual subiam ao Pai Celeste tantas colunas de perfumado incenso quantas são as classes de homens pelas quais Ele deu a vida.
Santa Gertrudes assim fala de graças recebidas desse divino Coração: “Além desses favores, me admitistes ainda à incomparável familiaridade de vossa ternura, oferecendo-me a arca nobilíssima de vossa divindade, quer dizer, vosso Coração Sagrado, para que nele me deleite. Vós o destes a mim gratuitamente ou o trocastes pelo meu, como prova ainda mais evidente de vossa terna intimidade. Por esse Coração divino conheci vossos secretos juízos. Por ele me destes tão numerosos e doces testemunhos de vosso amor, que se não conhecesse vossa inefável condescendência, eu ficaria surpreendida ao ver-vos prodigalizá-los até mesmo à vossa amada Mãe, se bem que Ela seja a mais excelente criatura e reine convosco no Céu”10.
Santa Gertrudes havia escrito uma preparação para a morte, para proveito dos fiéis. Consistia em um retiro de cinco dias, o primeiro dos quais consagrado a considerar a última enfermidade; o segundo, a confissão; o terceiro, a unção dos enfermos; o quarto, a comunhão; e o quinto a dispor-se para a morte. Certamente ela se preparou desse modo para seu falecimento. Segundo a tradição, este deu-se pelo ano 1302 ou 1303, durante um de seus inumeráveis êxtases, provavelmente no dia 15 de novembro.
Santa Teresa de Ávila e São Francisco de Sales promoveram muito o culto a essa santa extraordinária, mas só em 1739 ele foi estendido à Igreja Universal11.